Hospedagem


Raramente dou dicas de hotéis.
Para ser bem sincera, pouco depois da viagem já nem me lembro onde me hospedei, a não ser que tenha sido muito bom, ou muito ruim.
Como a maioria das minhas viagens foram realizadas com orçamento apertadíssimo de estudante, a prioridade para a hospedagem era sempre o preço: o mais barato possível. Para isso me aventurei em todo tipo de albergues e hotéis low cost, alguns excelentes e outros de dar medo. Cheguei ao ápice de me hospedar em um dormitório de 22 camas (formato beliche), no qual a única mulher no quarto era eu. Tirando um vizinho de cama que rangia os dentes a noite inteira foi ok.
Mas albergues não são uma boa opção apenas para quem quer economizar. Se estou viajando sozinha, por exemplo, ficar em albergue é um pré-requisito da viagem. Essa é a melhor maneira de conhecer gente do mundo todo disposta a interagir com desconhecidos (como você). Portanto, minha primeira dica é essa: vai viajar sozinho? Escolha um bom albergue e prepare-se para gastar seu inglês. Garanto que a experiência será fantástica. E não se preocupe, você pode ficar em um quarto individual com banheiro privativo em um hostel super estiloso que pode até mesmo te custar mais caro que um bom hotel. Existe um movimento de albergues com design diferenciado e serviço top muito comum na Europa. Por exemplo, em Lisboa, cidade que concentra boa parte dos melhores albergues do mundo, difícil vai ser escolher em qual ficar, tamanha a quantidade de opções incríveis. E os albergues têm ainda a maior de todas as vantagem: costumam ter localização privilegiada, em locais onde um hotel custaria o olho da cara.
Como nem sempre o orçamento foi tão apertado, também já tive a chance de ficar em hotéis cinco estrelas, hotéis butique, hotéis de redes internacionais, enfim, de tudo um pouco.
Após todas as experiências posso afirmar que conforto e limpeza são essenciais, mas luxo e estrelas só se o preço compensar (e às vezes compensa). Em Madri paguei preço de hostel em um hotel quatro estrelas maravilhoso, super bem localizado. Já já eu conto como).
Como a hospedagem não é, para mim, o ponto mais importante de uma viagem, valorizo basicamente duas coisas: localização e preço. Atualmente também não abro mão de banheiro privativo. Assustado com essa preferência? É que em albergues isso é uma raridade e já dividi muito banheiro com desconhecido ao longo das minhas andanças. Já vi de tudo, banheiro bom, banheiro ruim e banheiro no qual era melhor ficar sem tomar banho. Acho que essa fase eu pulei. Mas não é só em hostel que isso acontece. Na Europa é muito comum hotéis simples que oferecem quartos com banheiros compartilhados. E em alguns países, como na Islândia, raridade é encontrar um hotel que disponibilize quartos com banheiro privativo. Como não deixaria de ir para a Islândia por causa disso, encarei mais uma vez o compartilhamento de banheiro. Sobrevivi.
Fora isso, procuro sempre reservar hotéis que possuam wi-fi ilimitado e grátis. Mas nem sempre é possível. Acho um absurdo que hotéis ainda cobrem pela internet. E isso costuma acontecer com muita frequência nos hotéis mais caros. Em Cuba, por exemplo, o hotel cinco estrelas cobrava algumas dezenas de dólares por uma hora de acesso à internet. Resultado: desconectada do mundo, na ilha dos irmãos Castro.
Outra coisa que sempre fico de olho: se vou alugar um carro, o hotel tem que ter estacionamento. De preferência gratuito, claro.
Mas afinal, qual a dica para a hospedagem? Uma só: www.booking.com.
O site é extremamente seguro e confiável. Nunca me deixou na mão.
Além de reunir todo tipo de hospedagem, incluindo albergues, pensões, pousadas e hotéis de todas as categorias, o site classifica o local por diversos critérios, baseado em resenhas dos próprios viajantes. O fato de as resenhas serem publicadas exclusivamente por quem de fato se hospedou no hotel garante a total imparcialidade da página e nos deixa totalmente seguros para escolher onde ficar.
Além disso, o Booking costuma ter promoções imperdíveis, como meu hotel 4 estrelas de Madri. Reservando com antecedência de três meses e pagando no momento da reserva, sem direito a cancelamento, consegui reservar o quarto triplo, para quatro noites, por apenas €$320,00 (contra uma tarifa diária de balcão de mais de €$200,00).
O site é perfeito para qualquer tipo de viajante, porque permite que você faça a sua busca de acordo com os critérios que são importantes para você.
Como os critérios mais importantes pra mim são localização e preço, sempre faço minha busca organizando a lista de opções da hospedagem mais barata para a mais cara. A partir daí vou separando as opções que mais me atraem, até chegar na escolha final. Reservo normalmente hotéis com classificação geral acima de 8 e classificação da localização acima de 9.
Na localização, valorizo hotéis que estejam próximos às principais atrações turísticas, o que também significa que estarão próximos de todo tipo de serviços. Se a cidade for muito grande, o mais importante é que o hotel esteja bem próximo a uma estação de metrô.
E atenção!!! O Booking funciona com diversos tipos de reserva. O padrão são reservas com pagamento apenas no momento da hospedagem e com direito a cancelamento grátis até um dia antes da viagem, podendo ou não incluir café-da-manhã. Mas algumas vezes você precisará pagar parte da tarifa, ou até a tarifa inteira, no momento da reserva, sem direito a cancelamento (isso necessariamente acontecerá em boas promoções). O importante é ficar atento às condições da reserva e de cancelamento, assim você não terá qualquer surpresa.
Outros sites oferecem serviços semelhantes ao do Booking, como www.hoteis.com, e www.agoda.com. Já usei ambos, mas não vou esconder: o Booking é o meu preferido.
Além desses, se você já definiu que vai se hospedar em um albergue, o www.hostelword.com é uma excelente opção. Funciona exatamente como o Booking, porém é exclusivo para albergues.
Mas e quando o Booking nos deixa na mão? Não sabia que isso podia acontecer, até ir para a Cuba e descobrir que o país não está no Booking (imagino que por algum motivo relacionado ao regime comunista do país - lá também é um dos poucos países do mundo em que não é possível usar os cartões Travel Money). Nesses casos, recomendo usar o www.tripadvisor.com. Amo o Trip Advisor. Ele é um dos meus sites favoritos para pesquisa de viagens, porém para hospedagem, uso só quando o Booking deixa a desejar.
Gostou das dicas? Então não perca tempo e corra para reservar seu hotel. Fazer isso com antecedência pode garantir preços bastante atrativos.
Não gosta de planejamento? Mesmo se for escolher o hotel apenas quando chegar na cidade, use o Booking. Existem promoções de última hora e certamente a tarifa de balcão será mais cara que a do site.
Boa Viagem!

A Viajante

0 comentários:

Postar um comentário