O Peru é demais! E é logo ali.

As belezas do país vão muito além de Machu Picchu e incluem praias, montanhas, floresta amazônica e desertos de tirar o fôlego.

La Hermosa Habana

Corra para Cuba! Ainda é possível experimentar um pouquinho do regime dos irmãos Castro e, de quebra, apreciar a boemia de Havana.

Marrocos

Ame-o ou odeie-o.

Islândia

Isolamento, natureza exuberante e clima inóspito, no extremo do planeta.

Portugal, pequeno e encantador.

Uma viagem pela história, paisagens, cultura e sabores de nossos parentes europeus.

30 de jan. de 2014

Sevilha, laranjas e poesia

Sevilha foi a primeira cidade que conheci na Espanha e foi amor à primeira vista. Muitas outras cidades espanholas vieram depois, mas nenhuma outra conseguiu tirar de Sevilha o seu posto de favorita.
São inúmeros os motivos para se apaixonar pela cidade:
1 - A Praça de Espanha de Sevilha é uma das mais bonitas do mundo (a segunda mais bonita, na minha opinião. Só perde para a Praça Vermelha, de Moscou). A primeira vez que olhei pra ela, fiquei de boca aberta, abismada, embasbacada... e nos cinco dias seguintes voltei lá para ver mais, andar mais e me apaixonar... cada vez mais...



A praça é enorme, construída em formato de arco. Possui um lindo lago em volta, onde é possível andar de barco, além de inúmeros postes de luz adornados com azulejos coloridos. Também possui várias pontes que cruzam o lago e, ao fundo, além da imponente construção com o vão composto por dezenas de arcos, possui uma belíssima exposição de painéis feitos de azulejos super coloridos. Cada painel representa uma importante cidade espanhola. Dá para perder horas ali admirando tamanha beleza.
O romântico passeio de barco no lago que circula a praça
E o detalhe dos azulejos coloridos que adornam postes, muretas e painéis da praça
2 - Além de sua praça maravilhosa, Sevilha tem um clima boêmio delicioso. A cidade é lotada de bares e botecos, onde espanhóis e turistas se amontoam, em pé mesmo, na porta ou no balcão, bebendo cerveja e comendo tapas, falando alto e celebrando a vida sem qualquer motivo aparente. Foi lá que me senti mais próxima do Brasil em todo o tempo que morei na Europa. Na verdade me senti quase em Belo Horizonte, minha cidade natal, mundialmente famosa pelos seus botecos deliciosos.

Em Sevilha, os botecos estão sempre lotados
3 - E para quem ama um bom tira-gosto, as tapas de Sevilha são maravilhosas. Para pessoas indecisas como eu, que querem experimentar todos os pratos do cardápio, vêm em porções ideais para comer um pouco de tudo. E tudo é muito bom! E tem também os churros com chocolate, porque além de indecisa sou daquelas que nunca passa batido pela sobremesa.
Na dúvida, prove todos
4 - Além da praça e dos bares, Sevilha tem uma cidade velha que mais parece um labirinto, herança do domínio árabe sobre a cidade por mais de 800 anos, O centro é formado por ruelas estreitas que com certeza te deixarão perdido, mas que também com certeza te levarão a praças, becos e cantinhos que te farão acreditar que ficar perdido em Sevilha é a melhor coisa que poderia acontecer.
Ruelas estreitas são a cara de Sevilha
Uma das inúmeras praças cheia de charme em meio ao labirinto de ruas do centro histórico de Sevilha
Muito charme em cada cantinho da cidade
5 - E para não deixar barato face à influência árabe, Sevilha tem também um bairro judeu super charmoso e colorido, com ruas agradáveis, praças lindas e muita história;

Uma das belas praças do Bairro de santa Cruz
6 - E história é o que não falta por aqui, muito bem representada por construções imponentes que não nos deixa esquecer que estamos na Europa. A Praça da Catedral nos transporta no tempo, com seus casarões conservados e charretes de época que dão um clima todo especial ao lugar.




7 - Além do bairro árabe, do judeu e de tudo que possui de Europa, Sevilha tem também um bairro cigano, Triana, onde a cidade é ainda mais autêntica.


O detalhe na parede relembra: essa é a Espanha dos livros, filmes e dos roteiros de viagem
Tudo isso que foi dito seria suficiente para amar Sevilha, mas aí vem aquele golpe baixo para te deixar de quatro pela cidade, totalmente em suas mãos, refém de todos os seus encantos, enfim, apaixonado: as laranjas amargas.
As laranjas amargas dão a Sevilha o maior encanto da cidade: poesia. Uma poesia leve, colorida, cheirosa e vibrante.
Quando fui para Sevilha não fazia a menor ideia do que iria encontrar e foi indescritível a sensação de me deparar com as centenas e centenas de laranjeiras da cidade, lotadas de laranjas grandes, redondas e brilhantes, colorindo e enfeitando as ruas da capital da Andaluzia. São muitas laranjas, abarrotando os galhos das laranjeiras que se espalham por cada canto da cidade. Enfeitam ruas, praças, museus e tudo o que esteja a sua frente, conferindo à cidade um ar romântico e bucólico. 




As laranjas amargas de Sevilha são pura poesia e me deixaram completamente apaixonada pela cidade!

* Para visitar Sevilha enfeitada pelas laranjas, viaje no inverno, entre dezembro e fevereiro. O frio é ameno e o clima, super agradável. 
* Dois ótimos passeios para conhecer a cidade, sua história e sua cultura são o Free Walking Tour e o Tour de Tapas, que é feito a noite, também caminhando. Minha dica é fazer o walking tour para um reconhecimento de Sevilha e de sua história e depois voltar em todos os lugares com calma, se deixando perder pelos caminhos labirínticos da cidade. Informações aqui.
* Não podem ficar de fora da visita: os bares; a Praça da Catedral e a Torre La Giralda; o Palácio Reales Alcázares, de influência moura, que merece a entrada por sua beleza e imponência; o bairro judeu de Santa Cruz;  uma caminhada pela beira do Rio, incluindo a Torre del Oro; um dia no bairro de Triana, do outro lado do rio; uma visita à imponente Plaza de Toros (não quis assistir a uma tourada, mas fiz questão de conhecer o lugar e tentar entender um pouco da forte relação dessa região da Espanha com essa atividade); um passeio pelo belo e enorme parque Maria Luiza; assistir a uma autêntica apresentação de dança flamenca; e claro, muitas idas à maravilhosa Plaza de España, que vai fazer com que você não queria sair de Sevilha nunca mais.
Torre La Giralda
A entrada do  Reales Alcázares
E os muros de Pálacio
A Torre Del Oro, na beira do rio
A imponente Plaza de Toros de Sevilha
O agradabilíssimo Parque Maria Luiza

Boa viagem.









































25 de jan. de 2014

Última parada: Tallinn

Tallinn foi nossa última parada nos Bálticos e foi também a única cidade visitada na Estônia, por uma questão de escolha.
Após pesquisar, achamos que os interiores da Letônia e Lituânia seriam mais interessantes e mesmo sem saber o que perdemos na Estônia não nos arrependemos, porque tudo na viagem valeu muito a pena. E no fim das contas, fica um motivo para voltar, porque vontade não falta.
Tallinn é a grande estrela dos Bálticos e destino de turismo super em alta entre os europeus. E é claro que isso não é à toa. A cidade medieval de Tallinn é uma das mais belas do mundo. É limpa, bem conservada, charmosa até dizer chega e te faz ser transportado no tempo em um clima de magia e romantismo.
A capital da Estônia é uma cidade grande e bem desenvolvida. Conta com uma boa estrutura de turismo, principalmente após ter sido capital europeia da cultura em 2011. Só para você ter uma ideia do que eu estou falando, no aeroporto de Tallinn existem totens com computadores com acesso gratuito à internet espalhados por todo o saguão, algo que nunca vi em lugar nenhum do mundo.
A cidade é moderna, com prédios altos e envidraçados, mas não é isso que interessa por lá. A minha dica é: vá direto para a cidade velha, se perca nos limites de seus muros e mergulhe fundo em sua atmosfera medieval. A experiência é incrível.
Comece seu passeio pelos Portões de Viru, que não deixam dúvidas que você chegou ao lugar certo. Ao avistá-los de longe, a imagem vem com legenda: “Daqui para frente, um novo velho mundo te espera.”
Nos limites do muro, a cidade é divida em Alta (Toompea) e Baixa e não há segredo para explorá-las: basta caminhar sem rumo por suas ruas labirínticas e charmosas e todos os caminhos te levarão ao que interessa. Mas não se preocupe em encontrar nada. Em Tallinn, a maior atração é o próprio caminho a ser percorrido.

Após passar pelo portão, seguindo reto pela Rua Viru, você irá necessariamente chegar ao Prédio da Prefeitura, com seu estilo gótico, um dos cartões postais de Tallinn. 
A Rua Viru
No caminho, lojinhas, restaurantes e cafés deliciosos convidam para uma parada. Não tem como não se sentir tentado a comprar uma matrioshka ou uma iguaria típica do país na loja de temperos que fica próxima ao portão de entrada.
O famoso prédio da Prefeitura fica localizado na belíssima praça homônima, cujo cenário é complementado por edifícios coloridos, igrejas, restaurantes, um mosteiro e uma farmácia, que está ali desde 1422, cujo interior intocado nos permite voltar ainda mais fundo no tempo. Vale uma visita.
O Prédio da Prefeitura visto de outro ângulo
O incrível detalhe da arquitetura
E o conjunto de prédios coloridos da Praça da Prefeitura
Uma das coisas mais interessantes em Tallinn é observar sua arquitetura medieval. Para isso, um dos passeios imperdíveis é caminhar acompanhando as muralhas da cidade, com suas inúmeras torres medievais. 
O caminho em torno dos muros da cidade velha
O problema é que é quase impossível seguir uma linha reta por lá: sempre que olhamos para o lado, a vontade é de entrar em uma ruazinha qualquer para explorar as constantes surpresas de suas esquinas.
Algumas atrações pelas quais não se deve deixar de passar na parte baixa da cidade são suas igrejas, a Passagem de Santa Catarina, o Mosteiro Dominicano e as casas Três Irmãs.

A passagem de Santa Catarina
Depois de andar bastante, comece a subir rumo à Cidade Alta, por meio de escadinhas e portais de entrada. Se prepare para as vistas de tirar o fôlego!


A primeira coisa que você verá será a Catedral Alexandre Nevsky, mais uma belíssima igreja ortodoxa dos Bálticos (talvez a mais bela e grandiosa de todas). 

A catedral é de babar, mas infelizmente tive o azar de pegá-la em reforma. Faz parte... é necessário para que esse lugar continue conservando sua beleza. Ainda assim, pude apreciar seu riquíssimo e dourado interior e perceber o quanto sua fachada é linda e imponente. Depois de visitar a Catedral, bom é se perder pelo Castelo de Toompea e seus jardins.
O Castelo De Toompea
Após, o destino é subir pela Rua Pikk até o mirante Patkuli, o ponto alto da visita a Tallinn, não sem antes apreciar as belezas que o caminho oferece.
Um esquina qualquer de Toompea
Uma praça pacata...
E a passagem que leva ao mirante:
Tallinn vista do alta é ainda mais incrível
A cidade conta ainda com diversos museus, mas acho sinceramente desnecessário entrar em um quando a rua pela qual você anda é um verdadeiro museu a céu aberto.
Além disso, por ser muito voltada para o turismo, a cidade acaba entrando de verdade no clima medieval e para todo lado você encontrará pessoas vestidas com roupas de época manuseando carrocinhas antigas quem vendem de tudo, incluindo umas castanhas caramelizadas feitas na hora, que exalam um cheiro incrível. 
Tudo isso dá a Tallinn um certo clima de magia, que faz com que andar por suas ruas se torne uma experiência inesquecível.


Vale lembrar que Tallinn fica situada no litoral do Golfo da Finlândia, bem pertinho de Helsinki. Diversas balsas saem diariamente da cidade rumo à capital finlandesa. Não resisti em fazer o passeio e passar um dia por lá. Mas isso eu conto depois.