7 de dez de 2013

Lisboa, boa!


Lisboa, boa!
Nunca vi Lisboa com olhos de turista, pois a primeira vez que estive na cidade já foi de mala e cuia, para viver lá durante os três semestres que durariam meu mestrado. Por isso meu primeiro olhar para a cidade não foi de curiosidade, nem de admiração, mas sim de uma mistura de sentimentos, incluindo excitação, frio na barriga, felicidade e medo.
Também não foi amor à primeira vista.
Tive o azar de chegar em Lisboa em um domingo de outubro, às sete da manhã, quando um friozinho leve já começava a dar as caras. O que encontrei foi uma cidade fantasma. Não havia um único ser vivo na rua que não fosse eu e a brasileira moradora da cidade que me recepcionou no aeroporto. Um prelúdio do que seriam todos os domingos de inverno, dias em que a cidade literalmente morre.
Não fosse a chuva insistente do inverno, teria me apaixonado pela cidade tranquilamente nessa estação. Mas Lisboa precisa de sol para ter vida. É que Lisboa é a cara do verão.
É justamente seu verão quente e ensolarado que faz da capital portuguesa um paraíso (quase tropical) para os europeus do leste e do norte, onde o verão não é tão verão assim. É nessa estação que a cidade fica lotada e festiva, mesmo aos domingos, e é também quando se pode aproveitar o que Lisboa tem de melhor: suas escadinhas, ladeiras e colinas, suas vistas de tirar o fôlego e o poderoso Tejo.
O Tejo é a alma de Lisboa
Lisboa não é uma cidade com atrações turísticas marcantes como Paris, Roma ou Londres. Lisboa é uma cidade mais para ser vivida do que para ser vista. Tirando a torre (de Belém), o pastel (de Belém), o mosteiro (de Belém) e o padrão do descobrimento (de Belém), poucas atrações despertam o interesse de turistas ávidos por aquela foto tão popular.
A Torre de Belém, o maior símbolo turístico de Lisboa
Mas Lisboa está além de Belém (na realidade, Belém é que está além de Lisboa). É na baixa que a cidade acontece, na Alfama que ela é mais autêntica, no Bairro Alto que ela é mais agitada, na avenida da Liberdade que ela é mais luxuosa, e em Santos que ela é mais descolada.
A Praça do Rossio, na baixa, onde a cidade é mais movimentada e vibrante
O que eu mais gosto em Lisboa são as vistas estonteantes. São sete colinas e, portanto, no mínimo sete lindas vistas do rio, do castelo e dos telhados cor de terra. 
A vista da Alfama no Largo Portas do Sol
E do Castelo, em um dos miradouros do Bairro Alto
Fica difícil eleger a minha vista preferida, mas posso dizer que foi em Lisboa que vi a lua nascer mais bonita e o sol se pôr mais fascinante. Para o pôr do sol, a dica é uma caminhada pelo Tejo, da Praça do Comércio até as docas, com a ponte 25 de abril ao fundo. Se o tempo estiver bom, o espetáculo é garantido.
A lua nascendo esplendorosa no Miradouro São Pedro de Alcântara
A segunda coisa que eu mais gosto em Lisboa é andar, andar muito: pela Rua Augusta, lotada de gente, lojas, artistas e pastelarias; pelas ruelas do Bairro Alto para durante o dia apreciar as lojas de design e para, a noite, tomar uma cerveja ou comer em algum restaurante delicioso; pela pista de caminhada na beira do Tejo, pensando na vida e no mar; subindo e descendo pelas escadinhas da Alfama, as mais charmosas da cidade.
As escadinhas da Alfama são puro charme
Por fim, a terceira coisa que eu mais gosto em Lisboa, é comer (pensando bem, isso poderia estar em primeiro lugar). Listar as comidas perfeitas de Lisboa pode render algumas páginas, mas vamos a uma tentativa, na ordem exata em que vem na cabeça:
1-    Peixe! Nem eu acredito que até me mudar para Lisboa não gostava de peixe (achava que não gostava). Mas desde que vivi lá, não abro mão desse item no meu cardápio. O meu preferido é a dourada, que vem inteira no prato, servida com batatas e vagem. Delícia.
A deliciosa dourada!
2-    Bacalhau, que obviamente entra em uma categoria separada dos peixes. Em postas (bem altas, com bastante carne e muito suculentas), assado, frito ou cozido, com natas e gratinado, à braz, com ovos mexidos e batata palha, em pataniscas, deliciosas para pestiscar, a gomes de sá, a lagareiro, a zé do pipo, ou espiritual... tem também um cozido com folhas de couve, que esqueci a que moda é, que foi o mais surpreendente e delicioso que já comi. Tudo de babar!
3-    Arroz malandrinho, com caldinho, de polvo, lula, camarão, ou de tomate.
4-    Açorda de camarão, feita à base de pão dormido e coentro e finalizada na própria mesa, com um ovo quente que o garçom quebra na sua frente em cima do prato e mexe até que esteja pronto para comer.
5-    Queijo da serra da estrela, com seu recheio cremoso e sabor marcante, uma iguaria que você só encontra lá.
6-   Arroz de pato, com bastante carne e aquelas rodelas de calabresa por cima. E o melhor de tudo: aqueles grãos torradinhos que ficam na camada superior do prato depois que ele sai do forno...uhn...
7-    Sopas! Os portugueses adoram sopas e eu também passei a amar, principalmente no inverno. Algumas são famosas, como a pesada sopa de pedras e o caldo verde, à base de batatas, servido com calabresa. Mas tem também as levinhas, de legumes, de cenoura, de espinafre etc. Existe um lugar super típico para se comer o caldo verde. Chama-se A Merendeira. O lugar fica aberto durante a madrugada e serve, junto com a sopa, um pão recheado com chouriço (espécie de embutido) assado na hora num forno a lenha...simplesmente perfeito!
8-    Os doces!!!! Os doces portugueses são os meus preferidos. São sempre uma variação de gemas (muitas gemas), açúcar e amêndoas. Alguns ingredientes podem ser acrescentados, ou variam apenas as quantidades. Como sou uma formiguinha, experimentei todos e amei todos também. O que menos gosto é o famoso pastel de Belém, que só é de Belém, se comido na antiga e famosa fábrica localizada no bairro homônimo. No resto da cidade, ele é apenas pastel de nata. Meus preferidos são o travesseiro de sintra e o pão de rala, que além dos ingrediente mencionados, leva uma fruta ralada chamada chila. Mas tem também toucinho do céu, ovos moles, pastel de Santa Clara, de Coimbra e de feijão (sim, de feijão, e é perfeito!), o simples e delicioso bolo de arroz etc etc etc. São tantos, que seria impossível citar aqui, e os amantes de doces com certeza ficarão enlouquecidos e indecisos nas vitrines das pastelarias, que estão espalhadas aos montes por toda a cidade.
Dúvida cruel...
9-    Além da comida, não dá pra não falar do vinho, que com certeza vai acompanhar todas as refeições. O vinho português é delicioso e muito barato. No supermercado, dá para comprar vinho bom por quatro euros (claro que não estamos falando para os enólogos e sommeliers). Os mais famosos são os do Alentejo, mais leves e meus preferidos, e os do Douro, mais fortes e marcantes (não entendo nada de vinhos, só de bebê-los). Tem também o vinho verde, que no Brasil não é muito comum. Ele é super leve e um pouco frisante. Uma delícia para se beber bem gelado no verão. O vinho branco também é muito comum por lá, principalmente porque em Portugal se come muito peixe, e o garçom com certeza fará careta quando você pedir um peixe acompanhado de vinho tinto.
10- Outra bebida super famosa em Lisboa é a ginjinha, o nome carinhoso do licor de ginja, uma espécie de cereja. A bebida é muito doce, mas muita gente gosta, o que se percebe pelas filas sempre enormes no ponto mais famoso para beber a ginjinha em Lisboa: um balcão no fundo da Praça do Rossio, onde você bebe o licor, que vem com uma ginja dentro do copinho, em pé mesmo, apreciando o movimento do praça.
11- Outra tradição portuguesa é o chá. Para quem não sabe, o chá foi introduzido na Europa pelos portugueses, inclusive na Inglaterra, onde essa tradição é hoje tão famosa. Foi uma princesa portuguesa quem levou a tradição do famoso chá das cinco para a Inglaterra e a moda pegou. Eu passei a amar essa bebida e a oferta de sabores por lá é enorme. Mas o meu preferido é sem dúvidas o mais simples de todos: a meia de limão. Nada mais nada menos que duas lascas da casca do limão siciliano imersas em água fervente. O sabor é incrível!
Eu poderia ficar o resto da vida escrevendo sobre comida portuguesa, mas está na hora do almoço e isso seria uma tortura para mim e para vocês.
Morri de fome!!!
Como a maioria das pessoas que me perguntam sobre Lisboa não tem todo o tempo do mundo para viver a cidade, no próximo post vou preparar um roteiro com aquilo que considero imperdível em uma visita à capital portuguesa. Será um roteirinho de três dias, que é o tempo mínimo necessário para conhecer a cidade com a calma que ela merece. Pode parecer pouco, mas Lisboa é bem pequena e nesse tempo é possível visitar tudo o que ela oferece. Mas isso sem considerar museus (que não indico, porque não sou fã) e os arredores, como Sintra e Cascais, que exigem pelo menos mais três dias de visita. Se você puder ficar mais, vai poder vivenciar melhor o dia-a-dia da cidade (e visitar mais restaurantes deliciosos... :p). Se não puder, com certeza vai ficar com um gostinho de quero mais. 

4 comentários:

  1. oie! queria saber que mestrado você fez e como foi para entrar - adaptaçao e mais :D bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, como vai. Me desculpe pela demora... é que estava viajando e sem acesso a computador. Fiz mestrado em Sociologia, na Universidade de Lisboa. Mas consegui entrar também em um de direito, também na Universidade de Lisboa, e em outro de sociologia, na Universidade de Porto. Fiz tudo por minha conta, por e-mail e correios. Nos sites da UL e da UP têm todas as informações e contatos necessários, é super simples e é muito tranquilo de entrar. Eles fazem apenas análise de currículo e não é necessária a entrega prévia de projeto de pesquisa. Sobre adaptação, amei Portugal, mas não achei os portugueses os mais simpáticos do mundo não...rs...no início sofri um pouco com o jeito direto e seco deles de ser, mas depois me acostumei e entrei na onda. Claro que isso não é generalizado, mas acontece e é bom saber. Mas isso não atrapalha em nada, pois Lisboa recebe estudante da Europa inteira e você vai conviver com gente de todo canto. Além disso a cidade é uma delícia pra se viver, comida maravilhosa e bem barata. Em termos de custo, ainda mais com o euro caro, é sem dúvida o lugar onde você será mais feliz...rs... O Porto também é uma opção fantástica, cidade um pouco menos, com muito estudante, linda e bem divertida. Depois de conhecer o Porto acho que fica até difícil escolher. Se precisar de qualquer informação fique a vontade para perguntar. Posso te passar dados, contatos, tudo. E se você puder, não deixe de ir. É uma experiência impagável. Beijos

      Excluir