4 de nov de 2013

Cinco dias em Havana: o que fazer


A melhor atração de Havana é a própria cidade: um verdadeiro museu a céu aberto, onde é possível não só aprender sobre o passado desse país que nos desperta tanta curiosidade, como vivenciar as mudanças atuais e presenciar a história no exato momento em que ela se constrói.
Mas além disso, Havana possui diversas atrações turísticas, e aqui vamos contar um pouco daquilo que optamos por ver e fazer.
Havana está dividida em cinco áreas de interesse: Vedado, Centro, Havana Vieja, Miramar e o Castelo. Além disso tem muita coisa pra ver também em seus arredores. Vamos dividir as dicas por regiões, para facilitar a escolha e o planejamento da viagem, de acordo com sua disponibilidade de tempo.
1 – Vedado
Vedado é o centro político e cultural de Havana, com muitos hotéis, restaurantes, lojas, teatros e cinemas. É uma área bastante urbana e é também a mais moderna da cidade, cheia de prédios altos e grande movimento de pessoas. O melhor para se fazer em Vedado é caminhar, observando o movimento e a rotina da cidade.
Alguns pontos de interesse da região:
- O Malecon: o Malecon é um dos locais mais incríveis de Havana. Nada mais é que uma via situada na costa, com um calçadão com vista direta para o mar. O Malecon começa no centro de Havana e cruza toda a região de Vedado, em 8 km de via. Como nessa área de Havana não há praia, as ondas do mar agitado quebram diretamente nos paredões do Malecon, fazendo com que a água invada a pista, formando um verdadeiro espetáculo da força da natureza. 
E isso é obviamente também muito divertido, pois andar pelo Malecon e não sair encharcado é praticamente impossível. Em alguns dias, quando o mar está mais agitado, a inundação é tão grande que é necessário fechar a via para carros. Isso aconteceu nos cinco dias que passamos por lá... imagina na época dos furacões! 
O calçadão do Malecon é um dos passeios preferidos dos Cubanos, que aproveitam o fim de tarde para pescar e namorar tendo com fundo o fantástico pôr do sol do lugar. Assistir o sol de pôr no Malecon é, portanto, um programa obrigatório para quem vai a Havana. Uma obra-prima da natureza.
O movimento do fim de tarde no Malecon
O show de cores no céu durante o entardecer
E o pôr do sol espetacular!
Outra coisa interessante ao caminhar pelo Malecon, é observar os edifícios da Orla. Os prédios são enormes, com fachadas que pareciam ser belíssimas. A impressão que se tem é que era algo parecido com Copacabana, mas que acabou de sair de uma guerra arrasadora. Prédios abandonados, destruídos e caindo aos pedaços são as testemunhas da transformação pela qual passou Havana após a revolução.
Caminhar pelo Malecon é, portanto, um dos pontos fortes de qualquer visita a Havana. Se ficar com preguiça de caminhar os 8km, pegue um cocotaxi ou um conversível, mas não deixe de percorrer a via e observar suas belezas.
Passeio de taxi conversível pelo Malecon: programa obrigatório em Havana

- Hotel Nacional:
O Hotel Nacional foi inaugurado em 1930, nos tempos áureos do turismo norte-americano em Cuba. Após a revolução, passou a ser administrado pelo Estado e permanece, ainda hoje, como o Hotel mais exclusivo de Cuba. O prédio é maravilhoso e fica em uma colina, de frente para o Malecon. Com certeza deve ser uma ótima pedida se hospedar lá, mas o preço é salgado e, pelo que li, os quartos não são mais lá essas coisas...
Mas ainda que você não se hospede no hotel, vale fazer uma visita a esse edifício que é símbolo de Havana e de sua história. O hall e áreas comuns do hotel são belíssimos e a vista do Malecon é espetacular.
Além disso, o hotel é palco do Cabaret Parisien, um dos mais famosos cabarés de Havana, e de inúmeros eventos e shows. Vale dar uma conferida na programação e reservar com antecedência, pois os ingressos sempre esgotam.
A belíssima fachada do Hotel Nacional
- Havana Café:
Já que estamos falando de Cabarés, é preciso mencionar também o Havana Café, que fica dentro do Meliá Cohiba, atualmente o melhor hotel de Havana. O lugar é bacanérrimo, já o show é aquela coisa bem turística, tudo meio fake, mas não deixa de ser divertido e bastante engraçado. Então, já que você está em Havana, não deixe de conhecer pelo menos um desses shows.
- Sorveteria Coppelia:
Essa é a sorveteria mais famosa de Cuba e fica no meio do agito de Vedado, em uma área enorme situada em uma praça. O sorvete é gostoso, mas nada demais. Interessante mesmo é o fato de a sorveteria ser dividida em duas partes: uma para turistas, bem pequena (um trailer, para ser mais específica), com apenas três sabores de sorvete disponíveis e preços absurdos, e uma outra parte para os cubanos, enorme, sempre lotada, com muitos sabores e preços tão baixos que não é possível sequer calcular o valor em dólares. Se você tiver alguns pesos cubanos, consegue passar batido pelos seguranças e frequentar a área exclusiva dos cubanos. Mas se você tiver estampado em sua cara que é turista, dificilmente vai conseguir passar pelos seguranças da área exclusiva (e eles irão te expulsar sem nenhuma delicadeza). Depois de duas tentativas conseguimos entrar, mas como não tínhamos CUP não pudemos comprar o sorvete.
Até na sorveteria a propaganda do regime está presente. Á época, o assunto era a melhora de Chavez, mostrando a simpatia do governo revolucionário pelo regime venezuelano
- Plaza de la Revolucion:
É, desde a revolução, o centro político e administrativo de Cuba. Na praça ficam diversos prédios governamentais que trazem em suas fachadas enormes figuras dos guerreiros da revolução. No centro da praça fica o memorial Jose Marti. Tudo muito grandioso. Vale a visita.
Diversos ângulos da  Praça da Revolução, incluindo o Memorial Jose Marti e as faixadas dos prédios públicos que homenageiam os heróis da revolução
2 - Centro Habana e Prado
É a área central de Havana, onde estão situados os principais museus e prédios históricos da cidade, como o Gran Teatro La Habana, o Capitólio (assim chamado porque é uma imitação assumida da versão norte-americana), que hoje abriga o Ministério da Ciência e Tecnologia de Cuba, a Real Fábrica de Tabacos Partagás, maior e mais antiga fábrica de charutos cubanos e que hoje abriga um museu, entre muitos outros.
O grandioso Teatro de Havana
O Capitólio, cópia exata do prédio norte-americano
E a fábrica de habanos...
A melhor forma de passear por essa área é, como sempre, caminhando.
Minha sugestão é começar na costa, no início do Malecon, com a vista do Castillo de Sal Salvador de la Punta, e ir subindo pelo Paseo del Prado (principal via da região), até o Parque Central e o Capitólio.
O Castelo de São Salvador, ótimo ponto para iniciar o passeio pela região central de Havana
No Passeo del Prado estão concentrados muitos prédios históricos, com sua arquitetura típica. Assim como no Malecon, o que restam são apenas lembranças da era capitalista de Havana, com forte influência norte-americana. Mais uma vez o que se vê são prédios abandonados e destruídos, o que deixa o passeio ainda mais interessante.
Um pouco da arquitetura do Paseo del Prado
É também nessa área que estão situados os principais museus de Havana, como o de Belas Artes, o da Música e o da Revolução. Como museu não é muito minha praia (prefiro imensamente andar pelas ruas, que, na minha opinião, contam mais histórias que qualquer museu), fui apenas no da Revolução, porque esse, em Cuba, é obrigatório. O museu é simples, mas conta bem, pela ótica revolucionária, o que aconteceu no país antes, durante e após a Revolução. E ainda conta com esse painel logo na entrada:
Não precisava de mais nada...
Ao fim do Paseo del Prado fica também a chinatown de Havana. Sim, até Havana tem seu Bairro Chino. Mas, com toda sinceridade, eu dispensaria essa parte do passeio. O lugar é feio e sujo e não tem absolutamente nada de interessante para se ver. Se alguém for e tiver uma opinião diferente, por favor, diga. Pode ser que eu é que não tenha tido paciência.
O portal de entrada do bairro chino
3 - Habana Vieja
A cidade velha é o maior tesouro de Havana e também o coração da cidade. Foi em Havana antiga que me apaixonei por essa cidade e é onde qualquer viajante deve passar a maior parte do seu tempo.
A começar pela Plaza de la Catedral, uma das praças mais lindas que já vi em minhas andanças pelo mundo. 
O charme da Praça da Catedral, super conservada e lindíssima
Ao fundo, a Catedral que dá nome à praça, e as mesinhas dos bares, para sentar, observar e esquecer da vida
Caminhar por essa região, sentar e tomar um drink já valem toda a viagem para Cuba. Na praça fica a bela Catedral de San Cristobal e um quarteirão acima fica a Bodeguita del Médio, um dos botecos mais famosos de Cuba, antigo centro de intelectuais, artistas e políticos, como, obviamente, Hemingway, freguês assíduo que deu fama para o bar ao eleger o seu mojito como o melhor do mundo. 
A famosa Bodeguita del Medio...
... e sua fábrica de mojitos
Pra falar a verdade (Hemingway que me perdoe) esse definitivamente não é o melhor mojito do mundo. Deve ser culpa da invasão dos turistas. Mas, ainda assim, esse é um lugar delicioso, com clima boêmio, música boa e que vive sempre lotado. Diversão garantida para um fim de tarde em Havana.
Um pouco mais à frente, fica a Plaza de Armas, com sua feira diária de livros e jornais usados, onde dificilmente você encontrará alguma publicação que não remeta ao comunismo ou à revolução.
A imagem de Che e Fidel se repete a cada barraca da feira, assim como em toda a cidade de Havana. A praça é circundada por muitos restaurantes (incluindo o delicioso La Mina) e está sempre lotada de gente, incluindo artistas de rua, como essa trupe circense, e até mesmo uma orquestra montada no meio da rua, uma surpresa para os turistas e para a população, em um dia qualquer de Havana (onde, diga-se de passagem, a cultura é muito valorizada).

Saindo da Plaza de Armas, uma das ruas pela qual não se pode deixar de passar é a Calle Oficios. Uma rua super gostosa e cheia de coisas interessantes, que dá na Plaza de San Francisco, mais uma belíssima praça de Havana, com ar medieval e super movimentada.
A Plaza de San Francsico
Próxima à praça fica a igreja ortodoxa russa, belíssima, principalmente para quem nunca viu uma igreja dessas de perto. Na minha opinião as igrejas ortodoxas são as mais belas que existem, não só pela arquitetura quanto por seus riquíssimos altares. 
Um pouco mais a frente fica também o Museu do Rum. Achei o museu bem fraquinho e acho que não vale a pena ir. Com o valor do ingresso você compra uma garrafa de Havana Club ou de Rum Santiago de Cuba (segundo os cubanos este é melhor que o primeiro), que te fará muito mais feliz.
Outas atrações dessa parte da cidade velha são o Castilo de la Real Fuerza e o Palacio de los Capitanes Generales.
O belíssimo e grandioso Castelo da Força Real
E, por fim, a maior atração de todas: a deliciosa, excêntrica, boêmia, divertida e movimentada Cale Opispo, coração de Havana, onde passei todos os dias, sempre com muitas surpresas. Essa rua histórica é cheia de atrações, bares, restaurantes e o mais importante: cheia de gente! Ela começa na Plaza de Armas e termina no delicioso El Floridita, mais um restaurante que fez sua fama através de Hemingway, que elegeu o Daiquiri do Floridita como o melhor do mundo. E dessa vez não vou discordar do famoso escritor. O daiquiri daqui é realmente espetacular e, além do tradicional sabor de limão, você poderá experimentar dezenas de outras combinações criativas e deliciosas. O lugar está obviamente sempre lotado e é comum ter um grupo de salsa deixando o clima do bar ainda mais gostoso.
Hemingway observa, atento, o preparo dos daiquiris, no balcão do El Floridita
No início da Cale Opispo, ainda na Praça de Armas, você pode matar a sede na Casa del Agua la Tinaja, que serve água de poço purifica em filtros de cerâmica. Seguindo em frente, não deixe de entrar na belíssima Farmácia Taquechel e no Hotel Ambos Mundos, onde Hemingway viveu de 1932 a 1939. Como você já deve ter notado, Hemingway é uma das maiores atrações de Cuba, que parece se orgulhar bastante do fato de o escritor americano ter se encantado pelo país e vivido aqui por muitos anos. Sua figura é explorada em diversos cantos do país. Um prato cheio para quem se interessa por sua história.
Uma das farmácias antigas da Cale Obispo - história preservada e muita beleza
4 -Castillo del Morro
Esse castelo é uma fortaleza construída para proteger a cidade de ataques vindos do mar. Vale a pena ser visitado, não só pela bela construção, mas também pelas vistas incríveis que se tem de lá. Próximo a ela fica o cristo de Havana, de onde se tem uma vista espetacular da cidade. Imperdível. O castelo é muito visitado também a noite, onde acontece todos os dias, às 21 horas, o cañonazo, evento no qual soldados vestindo roupas do século XVIII disparam tiros de canhão para a alegria dos turistas. Os tiros antigamente eram usados para informar aos cidadãos, ao fim de cada dia, que os portões da cidade estavam fechados para entrar e sair, por questões de segurança. Hoje nada mais é que uma encenação turística para quem curte.
Havana, vista da área do castelo: linda, linda, linda!
5- Miramar e Arredores de Havana
Não conhecemos nada fora de Havana, porque preferimos explorar com calma a parte central da cidade. Mas para quem tem curiosidade e tempo disponível existem diversas atrações nos arredores da cidade.
No bairro de Miramar, mais afastado do centro, existem muitos hotéis e algumas atrações. Passamos lá naqueles ônibus turísticos que dão a volta da cidade e não achei muito interessante, então resolvemos nem descer.
Além de Miramar, é possível visitar alguns outros lugares que também optamos por não ir, como:
- as Playas del Est – não fomos (porque praia, assim como museus, também não é a minha praia). Como ouvi dizer que não era nada espetacular, deixamos pra lá.
- o famoso Cabaré Tropicana, o mais conhecido de Cuba. É muito caro e muito turístico, mas é o Tropicana... então, para quem aprecia esse tipo de show, deve valer a pena. Como já havíamos ido no Havana Café, que ficava no hall do nosso hotel, achamos que não valia a pena.
- tours para fábricas e plantações de charutos, além de diversas outras opções de day tours, incluindo até mesmo um bate volta para Varadero, mas tudo muito corrido.
6 – Diversão
Havana é uma cidade muito boêmia, cheia de bares, restaurantes e muita música, shows, cabarés e casas de jazz. A noite da cidade é bastante viva e se divertir por aqui não será um problema. Em quase toda esquina existe algum bar com música ao vivo, na maioria das vezes tocando uma salsa contagiante. Tudo isso se mistura com muitas opções de drinks e charutos, uma combinação que sempre garante noites deliciosas. Vale conferir a intensa programação da cidade, para não perder nenhum show interessante.
Mojitos e Habanos, a alegria de Cuba
Boa Viagem!

0 comentários:

Postar um comentário